Bem vinda, Visitante! [Registrar-se | Entrar

Bebedouros para coelhos

Bebedouros para coelhos, DESTAQUES 16 de outubro de 2018

Bebedouros para coelhos

Os bebedouros para os coelhos devem ser de fácil manejo para que possam ser limpos e desinfetados com facilidade e bem adaptados ao tipo de coelheira em que são colocados. É necessário que sejam de tipos ou modelos que impeçam ou dificultem os coelhos de neles penetrarem, para evitar que sujem ou contaminem a sua água. Existem vários tipos de bebedouros, mas os mais comuns são vasilhas, às vezes aproveitadas para a colocação de água para os animais.


Bebedouros tipo pote ou comuns

São simples recipientes ou vasilhas, às vezes aproveitadas de outros usos. Podem ser de alumínio, louça, barro vidrado por dentro, etc. Muitos deles são iguais aos comedouros. Não aconselhamos os de cimento, por serem muito porosos e de difícil limpeza, impregnando-se de urina, o que os inutiliza pelo mau cheiro que podem apresentar e que repele os coelhos.

Bebedouros tipo “mamadeira” ou de garrafa

São mais práticos do que os comuns, porque: têm maior capacidade de armazenamento de água; são mais higiênicos, pois a água fica totalmente protegida, não sendo poluída ou contaminada, como no caso dos bebedouros comuns. Esses bebedouros nada mais são do que garrafas comuns com uma rolha de borracha ou plástico, que possua um orifício, no qual é fixado um tubo de vidro especial de 10cm de comprimento e 1cm de diâmetro, ligando o interior da garrafa com o exterior, para a passagem da água.

É um pouco recurvado na sua extremidade livre, que é afunilada e que possui, na ponta, um pequeno orifício de mais ou menos 1mm de diâmetro, pelo qual passa a água para os coelhos beberem. Devem ser colocados pelo lado de fora das gaiolas, ficando apenas a sua ponta livre, dentro dela, ao alcance dos animais. Podem ser fixados, de preferência, na parte da frente da coelheira ou em um dos seus lados, quando for mais conveniente, o que é feito por meio de alças de arame ou por um porta-garrafa.

Bebedouros automáticos

Conhecidos por “bicos”, nós os consideramos os melhores, não só pela higiene que proporcionam em relação à água mas, também, devido à grande economia de mão-de-obra, porque são realmente automáticos. Na realidade, nada mais são do que válvulas de tipo especial, fixadas diretamente a um encanamento que passa por todas as gaiolas. Em cada uma delas, colocamos 1 bebedouro ou mais, quando necessário, no caso de gaiolas coletivas.

O cano deve ser, de preferência, rígido, de PVC e de ½ ou ¾ de polegada, ligado a uma pequena caixa de água de 10 a 30 litros e cuja altura, em relação ao nível dos bebedouros, deve ser bem controlada sendo, em geral, de mais ou menos 80cm, para que seja mantida nos canos uma pressão suficiente para conservar as válvulas fechadas, para que não fiquem pingando água, mas também não muito forte que dificulte ou até impeça o coelho de, com o focinho, empurrar o pino para que a água saia e ele a possa beber.

Esses bebedouros devem ficar a uma altura de 25cm do piso das gaiolas, para que todas as categorias de coelhos, exceto para as gaiolas em que existam ninhadas, nas quais eles devem ficar a 15cm de altura, para que os láparos os possam alcançar. Os bebedouros automáticos apresentam as seguintes vantagens: fornecer, à vontade, água potável, limpa ou mesmo filtrada; economizar mão-de-obra, porque não precisam ser limpos ou lavados com freqüência como os de outros tipos e são de fácil limpeza, quando necessário.

O post Bebedouros para coelhos apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

163 total de visualizações, 1 hoje

  

Links patrocinados

Site do Café
  • Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão A economia continua patinando, mas os negócios nos leilões de elite seguem de vento em popa e movimentando cifras milionárias. A vaca nelore Jamaya da Di Gênio foi vendida no 5º Encontro Vila Real, pregão realizado em Brotas (SP), no último dia 26, por […]

    O post Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Produção comercial de rãs

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    A criação de rãs ou ranicultura é uma atividade pecuária das mais lucrativas, desde que desenvolvida de maneira adequada, com um padrão zootécnico elevado. Desta forma, poderemos obter uma alta produtividade e, conseqüentemente, boa lucratividade. As condições em um ranário são completamente diferentes das encontradas pelas rãs na natureza, pois o nosso objetivo ao criá-las […]

    O post Produção comercial de rãs apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.