Bem vinda, Visitante! [Registrar-se | Entrar

Cochos e manjedouras para a alimentação dos caprinos

Cochos e manjedouras para a alimentação dos caprinos, DESTAQUES 4 de outubro de 2018

Cochos e manjedouras para a alimentação dos caprinos

Os cochos são utilizados para neles serem colocadas as rações balanceadas e outros concentrados, capim picado (não muito aconselhável), outros alimentos indicados para os caprinos e o sal ou misturas minerais, de acordo com a sua categoria.

Podem ser de vários tipos, modelos e tamanhos, de acordo com as conveniências ou necessidades, conforme o número de animais a serem alimentados ou mineralizados. Podemos dividir os cochos em fixos, móveis ou de balanço, de acordo com a sua fixação ou não. Podem, ainda, ser internos ou externos, conforme a sua localização fora ou dentro do abrigo ou da baia. Além disso, podem ou não ter proteção.

São construídos, em geral, de madeira, material plástico, bambu, etc. Para protegê-los, impedindo que os caprinos nele penetrem e fiquem sobre eles, sujando-os e aos alimentos que neles se encontram, temos os canzis na parte da frente e podemos fechar as partes de trás e dos lados com tábuas ou ripas. Podemos, também, colocar uma grade ou ripas na parte de cima do cocho, para evitar que os cabritinhos nele penetrem. Os cochos podem ter a parte de trás móvel, para facilitar a limpeza e a colocação de comida.

Para os adultos, os cochos devem ter 20cm de profundidade, 30cm de largura e suas bordas devem ficar 30 a 40cm de altura do chão. Podemos pendurar os cochos em correntes ou mantê-los fixos e com divisões, de acordo com o seu uso. Os cochos para sal ou misturas minerais são pequenos e ficam a 40cm de altura do chão. Devemos colocar, também, cochos de sal no campo.

Canzil

São ripas ou barras de madeira sem cantos vivos, para não ferir os animais. Para a contenção de cada animal, são necessários 2 canzís, com a extremidade inferior presa ao cocho e a superior, embora podendo ser deslocada para os lados, com um dispositivo para fixá-la a uma travessa horizontal a certa altura da borda do cocho. Podemos ter um canzil fixo e outro móvel, para ser aberto ou fechado quando quisermos soltar ou prender o animal. Devem ter um espaço de 10 a 11cm de distância, um do outro.

Manjedoura

Nada mais é do que uma grade de madeira ou metal, pendurada a uma certa altura (50 a 60cm do chão) e com uma determinada inclinação. Destina-se a receber os “capins” inteiros, para que os caprinos aí os comam. Com o seu emprego há um grande desperdício de forrageiras, porque caem muito ao chão, ficando sujas de fezes e urina, não sendo mais úteis para a alimentação.

O post Cochos e manjedouras para a alimentação dos caprinos apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

121 total de visualizações, 1 hoje

  

Links patrocinados

Site do Café
  • Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão A economia continua patinando, mas os negócios nos leilões de elite seguem de vento em popa e movimentando cifras milionárias. A vaca nelore Jamaya da Di Gênio foi vendida no 5º Encontro Vila Real, pregão realizado em Brotas (SP), no último dia 26, por […]

    O post Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Produção comercial de rãs

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    A criação de rãs ou ranicultura é uma atividade pecuária das mais lucrativas, desde que desenvolvida de maneira adequada, com um padrão zootécnico elevado. Desta forma, poderemos obter uma alta produtividade e, conseqüentemente, boa lucratividade. As condições em um ranário são completamente diferentes das encontradas pelas rãs na natureza, pois o nosso objetivo ao criá-las […]

    O post Produção comercial de rãs apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.