Bem vinda, Visitante! [Registrar-se | Entrar

Coelheiras de cimento

Coelheiras de cimento, DESTAQUES 14 de outubro de 2018

Coelheiras de cimento

As coelheiras de cimento são muito utilizadas nas criações comerciais em todo o mundo e apresentam as seguintes características e vantagens:

– são mais baratas do que as de madeira ou arame, quando são construídas pelo próprio criador; – não enferrujam ou apodrecem, tendo uma longa durabilidade; – os coelhos não as roem; – não abrigam parasitas e insetos, desde que suas paredes fiquem bem lisas e suas frestas ou juntas, calafetadas; – são mais fáceis de limpar, lavar, desinfetar, inclusive com lança-chamas; – são desmontáveis, fáceis de armar ou desmontar para transportes, mudanças ou vendas; – as peças pré-fabricadas, que são as suas partes, pesando 20 a 40kg, são leves o suficiente para que uma só pessoa as carregue, quando são moldadas para uma só gaiola.

Os moldes para as diversas partes da coelheira são fáceis de fazer, podendo ser de metal ou madeira e são figuras geométricas simples. Suas paredes, teto, vigas e pés são de placas de cimento de 2,5cm de espessura, enquanto que suas portas e pisos podem ser de madeira ou de metal.

Embora, à primeira vista, possam parecer quentes, o seu isolamento térmico não depende somente do material empregado mas também da sua construção, forma, localização e caiação, pois a ação do sol e o calor são controlados pela cor branca, que faz os raios solares se refletirem, não esquentando o interior das coelheiras.

Os raios infravermelhos, no entanto, que penetram no interior das coelheiras, provocam uma corrente de ar sob o seu teto, devido a uma abertura que corre ao longo da parte superior da abertura de trás, entre ela e o teto, assim, aproveitada a ascensão da corrente de ar quente de trás para a frente da coelheira, devido à inclinação do teto. Essa corrente, não só renova o ar, como faz evaporar a umidade que o cimento absorve, provocando uma diferença sensível de temperatura entre as partes exterior e interior da coelheira, havendo uma verdadeira refrigeração do ar.

São construídas para ficarem ao ar livre, mas podem ser colocadas debaixo de coberturas ou galpões, embora ocupem espaço muito maior do que as gaiolas de arame, por exemplo.

Os comedouros, manjedouras e bebedouros ficam do lado de fora, evitando a necessidade de abrir a porta para tratar dos animais, o que economiza mão-de-obra e tempo. Basta citar que, para tratar de 500 coelheiras, seria necessário abrir e fechar portas, no mínimo, 1.000 a 1.500 vezes por dia. Além disso, quanto menor o contato com os coelhos, melhor, para evitar o contágio de doenças e de parasitas. Para coelhos da raça angorá, o melhor é piso de tela metálica ou grade de arame de ferro galvanizado.

O post Coelheiras de cimento apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

160 total de visualizações, 1 hoje

  

Links patrocinados

Site do Café
  • Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão A economia continua patinando, mas os negócios nos leilões de elite seguem de vento em popa e movimentando cifras milionárias. A vaca nelore Jamaya da Di Gênio foi vendida no 5º Encontro Vila Real, pregão realizado em Brotas (SP), no último dia 26, por […]

    O post Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Produção comercial de rãs

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    A criação de rãs ou ranicultura é uma atividade pecuária das mais lucrativas, desde que desenvolvida de maneira adequada, com um padrão zootécnico elevado. Desta forma, poderemos obter uma alta produtividade e, conseqüentemente, boa lucratividade. As condições em um ranário são completamente diferentes das encontradas pelas rãs na natureza, pois o nosso objetivo ao criá-las […]

    O post Produção comercial de rãs apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.