Bem vinda, Visitante! [Registrar-se | Entrar

Comedouros para os coelhos

Comedouros para os coelhos, DESTAQUES 16 de outubro de 2018

Comedouros para os coelhos

Os comedouros são recipientes nos quais colocamos rações balanceadas, farelos, cereais, grãos, etc. para que, em condições higiênicas e evitando desperdícios, fique ao alcance dos coelhos para a sua alimentação regular. Existem os comedouros livres, para serem colocados dentro das gaiolas e os tipos especiais, fixados a um de seus lados, em geral na parte da frente e do seu lado de fora. Os primeiros devem ser bem pesados, para que não virem com facilidade, derramando ração, sem cantos e com a borda virada para dentro, para que os coelhos, revolvendo os alimentos com as patas, não os joguem para fora, causando desperdícios.


Podem ser de cimento, louça ou barro vidrado na parte interna ou de metal, em geral chapas galvanizadas. Os de cimento e os de barro não vidrados na parte interna apresentam o inconveniente de serem porosos, absorvendo a água e, por esse motivo, de mais difícil limpeza e desinfecção. Além disso, quando úmidos, podem estragar toda a ração neles contida, quer por fermentação, quer pela sua contaminação, principalmente por fungos. Podem, ainda, absorver urina, ficando com mau cheiro, o que os inutiliza.

Comedouros automáticos

Os melhores são os metálicos, de folhas galvanizadas, denominados automáticos mas que, realmente, são de alimentação contínua por gravidade. Devem ser, de preferência, fixados pelo lado de fora, na parte da frente da gaiola.

Embora mais caros, economizam mão-de-obra, por não ser necessário abrir a porta para colocar nele a ração, pois seu abastecimento é feito pela parte externa, enquanto que os coelhos têm acesso a eles, pela parte que fica no interior da gaiola. Sua capacidade pode variar, armazenando ração para vários dias. Outras vasilhas podem ser usadas como comedouros mas, quando leves, devem ser fixadas a uma das paredes da coelheira, para não virarem, derramando a ração.

Todos os comedouros devem ter a beirada para dentro, para evitar que os coelhos derramem a ração. Mesmo Assim, para evitar derramamentos e desperdícios de ração, devemos encher os comedouros, exceto os automáticos, até, no máximo, 2/3 da sua altura ou capacidade.

Para que preencham as suas finalidades, eles devem: ter fundo côncavo, para permitir o aproveitamento da ração até o fim e para que a ração esfarinhada fique no fundo; possuir uma abertura adequada que permita ao coelho alcançar o alimento com facilidade, mas que impeça ou dificulte, ao máximo, sua entrada no comedouro, principalmente os láparos, para evitar que sujem e contaminem a ração com suas patas, fezes e urina; devem ser fabricados com materiais que resistam aos dentes dos coelhos, ou seja, de metal, de madeira com as bordas protegidas com folhas ou lâminas metálicas; ser removíveis e fáceis de limpar; medir 0,15 a 0,17m de diâmetro e 0,05 a 0,08m de profundidade, quando circulares; ter, quando coletivos, 0,10m lineares para cada coelho de 4 a 8 semanas e 0,12m para fêmeas com crias.

 
O próprio criador pode, se o desejar e com facilidade, fabricar os comedouros automáticos de metal ou o mesmo modelo em madeira mas, neste último caso, deve proteger as partes expostas aos coelhos, ou seja, as suas bordas, com uma folha metálica.

Esses comedouros podem ser desmontáveis, tendo suas partes separadas, o que facilita o seu transporte, sendo montados com parafusos e com porcas, quando metálicos e por parafusos ou pregos, quando fabricados em madeira, o que dá os mesmos resultados.

O post Comedouros para os coelhos apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

145 total de visualizações, 1 hoje

  

Links patrocinados

Site do Café
  • Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão A economia continua patinando, mas os negócios nos leilões de elite seguem de vento em popa e movimentando cifras milionárias. A vaca nelore Jamaya da Di Gênio foi vendida no 5º Encontro Vila Real, pregão realizado em Brotas (SP), no último dia 26, por […]

    O post Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Produção comercial de rãs

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    A criação de rãs ou ranicultura é uma atividade pecuária das mais lucrativas, desde que desenvolvida de maneira adequada, com um padrão zootécnico elevado. Desta forma, poderemos obter uma alta produtividade e, conseqüentemente, boa lucratividade. As condições em um ranário são completamente diferentes das encontradas pelas rãs na natureza, pois o nosso objetivo ao criá-las […]

    O post Produção comercial de rãs apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.