Bem vinda, Visitante! [Registrar-se | Entrar

Conheça a ultrablack, raça de boi com apenas 700 exemplares de um ano

Conheça a ultrablack, DESTAQUES, NOVIDADES PARA O AGRO, raça de boi com apenas 700 exemplares de um ano 11 de outubro de 2019

Conheça a ultrablack, raça de boi com apenas 700 exemplares de um ano

Um gado de pelagem preta e sem chifres promete ser uma nova alternativa de produção de carne para segmentos premium ou gourmet no Brasil. Ainda considerados novidade no mercado brasileiro, os bovinos ultrablack tiveram o primeiro registro autorizado pelo Ministério da Agricultura (Mapa) em 2017. Atualmente, existem cerca de 700 animais com mais de um ano de idade, de acordo com a Associação Brasileira de Angus (ABA).

A tendência é de crescimento da presença desses animais na pecuária de corte brasileira, afirma o vice-presidente de Fomento da ABA, Luís Felipe Cassol. “Para este ano, a expectativa é de nascer mais de 2 mil animais aptos a receberem registro.” Alguns exemplares da raça foram exibidos na última semana, durante a 57ª ediçã da Expo Rio Preto, realizada em Sâo José do Rio Preto (SP).

Originário dos Estados Unidos, a ultrablack é uma raça sintética, cruzamento do europeu Angus com a raça Brangus, esta já resultante de cruamentos entre Angus e zebuínos, como Brahman, Nelore Mocho e Guzerá. Essa mistura origina um gado composto de pelo menos 80% de sangue Angus, o que é considerado o diferencial desse tipo de animal

“Nenhuma raça no Brasil tem essa composição de grau de sangue como o ultrablack. Por isso que foi reconhecida pelo Ministério da Agricultura”, conta o médico veterinário e gerente de fomento da ABA, Mateus Pivato.

Segundo a Associação Brasileira de Angus (ABA), responsável pelo registro da raça no Brasil, o ultrablack surgiu em 1993, na fazenda Cow Creek Ranch, no Novo México (EUA). Em 1996, os primeiros animais foram comercializados no mercado americano. Dois anos depois, a International Brangus Breeders Association (IBBA) comprou a marca. Os registros foram iniciados em 2005. No mesmo ano, as criações começaram na Austrália.

“O ultrablack surgiu pela necessidade de ter um angus com grau de sangue intermediário entre o puro e o Brangus, necessário para atender a uma demanda em zonas de clima em que o angus puro tinha algum grau de dificuldade de adaptação”, afirma Luís Felipe Cassol.

Essa mistura possibilitou que o ultrablack tenha a rusticidade dos zebuínos, assim se adaptando às altas temperaturas – como a do Centro-Oeste brasileiro –, além de possuir uma carne de qualidade advinda do sangue Angus. “Ele tem uma carcaça mais desenvolvida, assim mantém a qualidade de carne e a adaptação desse animal nos ambientes”, explica o veterinário Mateus Pivato.

Carne superior
Segundo a Associação Brasileira de Angus, a ideia de trazer o ultrablack para o mercado brasileiro foi proporcionar aos pecuaristas mais uma alternativa de produção de carne com qualidade superior. Atualmente, há animais registrados no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Minas Gerais.

O gerente de fomento da ABA, Mateus Pivato, avalia que a produção de carne de gado Angus não consegue suprir a demanda do mercado. O ultrablack chega para potencializar a oferta. “Ele pode ser utilizado em matrizes que são 25% de sangue Angus, gerando um animal em torno de 52% e 53% de sangue, que pode ir para o Programa Carne Angus Cetificada”, explica.

Luís Felipe Cassol acrescenta que a raça tem grande potencial também de cruzamento com fêmeas meio-sangue Angus. “Neste caso, cruzar uma meio-sangue com ultrablack, produziremos animais com 65% de sangue Angus, isso seria um grande passo na maior qualificação da nossa carne certificada”, pontua. A Associação pretende também criar um selo de certificação da carne ultrablack dentro do programa.

Ainda de acordo com a ABA, o ultrablack pode ser utilizado como touro de repasse e se reproduzir por monta natural em regiões mais quentes do Brasil, como Norte e Centro-Oeste. Diferente do que é feito com o touro Angus, para o qual, nessas regiões, só é possível a reprodução via inseminação artificial.

Site do Café

O post Conheça a ultrablack, raça de boi com apenas 700 exemplares de um ano apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

232 total de visualizações, 2 hoje

  

Conheça a ultrablack, raça de boi com apenas 700 exemplares de um ano

Conheça a ultrablack, DESTAQUES, NOVIDADES PARA O AGRO, raça de boi com apenas 700 exemplares de um ano 11 de outubro de 2019

Conheça a ultrablack, raça de boi com apenas 700 exemplares de um ano

Um gado de pelagem preta e sem chifres promete ser uma nova alternativa de produção de carne para segmentos premium ou gourmet no Brasil. Ainda considerados novidade no mercado brasileiro, os bovinos ultrablack tiveram o primeiro registro autorizado pelo Ministério da Agricultura (Mapa) em 2017. Atualmente, existem cerca de 700 animais com mais de um ano de idade, de acordo com a Associação Brasileira de Angus (ABA).

A tendência é de crescimento da presença desses animais na pecuária de corte brasileira, afirma o vice-presidente de Fomento da ABA, Luís Felipe Cassol. “Para este ano, a expectativa é de nascer mais de 2 mil animais aptos a receberem registro.” Alguns exemplares da raça foram exibidos na última semana, durante a 57ª ediçã da Expo Rio Preto, realizada em Sâo José do Rio Preto (SP).

Originário dos Estados Unidos, a ultrablack é uma raça sintética, cruzamento do europeu Angus com a raça Brangus, esta já resultante de cruamentos entre Angus e zebuínos, como Brahman, Nelore Mocho e Guzerá. Essa mistura origina um gado composto de pelo menos 80% de sangue Angus, o que é considerado o diferencial desse tipo de animal

“Nenhuma raça no Brasil tem essa composição de grau de sangue como o ultrablack. Por isso que foi reconhecida pelo Ministério da Agricultura”, conta o médico veterinário e gerente de fomento da ABA, Mateus Pivato.

Segundo a Associação Brasileira de Angus (ABA), responsável pelo registro da raça no Brasil, o ultrablack surgiu em 1993, na fazenda Cow Creek Ranch, no Novo México (EUA). Em 1996, os primeiros animais foram comercializados no mercado americano. Dois anos depois, a International Brangus Breeders Association (IBBA) comprou a marca. Os registros foram iniciados em 2005. No mesmo ano, as criações começaram na Austrália.

“O ultrablack surgiu pela necessidade de ter um angus com grau de sangue intermediário entre o puro e o Brangus, necessário para atender a uma demanda em zonas de clima em que o angus puro tinha algum grau de dificuldade de adaptação”, afirma Luís Felipe Cassol.

Essa mistura possibilitou que o ultrablack tenha a rusticidade dos zebuínos, assim se adaptando às altas temperaturas – como a do Centro-Oeste brasileiro –, além de possuir uma carne de qualidade advinda do sangue Angus. “Ele tem uma carcaça mais desenvolvida, assim mantém a qualidade de carne e a adaptação desse animal nos ambientes”, explica o veterinário Mateus Pivato.

Carne superior
Segundo a Associação Brasileira de Angus, a ideia de trazer o ultrablack para o mercado brasileiro foi proporcionar aos pecuaristas mais uma alternativa de produção de carne com qualidade superior. Atualmente, há animais registrados no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Minas Gerais.

O gerente de fomento da ABA, Mateus Pivato, avalia que a produção de carne de gado Angus não consegue suprir a demanda do mercado. O ultrablack chega para potencializar a oferta. “Ele pode ser utilizado em matrizes que são 25% de sangue Angus, gerando um animal em torno de 52% e 53% de sangue, que pode ir para o Programa Carne Angus Cetificada”, explica.

Luís Felipe Cassol acrescenta que a raça tem grande potencial também de cruzamento com fêmeas meio-sangue Angus. “Neste caso, cruzar uma meio-sangue com ultrablack, produziremos animais com 65% de sangue Angus, isso seria um grande passo na maior qualificação da nossa carne certificada”, pontua. A Associação pretende também criar um selo de certificação da carne ultrablack dentro do programa.

Ainda de acordo com a ABA, o ultrablack pode ser utilizado como touro de repasse e se reproduzir por monta natural em regiões mais quentes do Brasil, como Norte e Centro-Oeste. Diferente do que é feito com o touro Angus, para o qual, nessas regiões, só é possível a reprodução via inseminação artificial.

Site do Café

O post Conheça a ultrablack, raça de boi com apenas 700 exemplares de um ano apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

232 total de visualizações, 2 hoje

  

Links patrocinados

Site do Café
  • Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão A economia continua patinando, mas os negócios nos leilões de elite seguem de vento em popa e movimentando cifras milionárias. A vaca nelore Jamaya da Di Gênio foi vendida no 5º Encontro Vila Real, pregão realizado em Brotas (SP), no último dia 26, por […]

    O post Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Produção comercial de rãs

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    A criação de rãs ou ranicultura é uma atividade pecuária das mais lucrativas, desde que desenvolvida de maneira adequada, com um padrão zootécnico elevado. Desta forma, poderemos obter uma alta produtividade e, conseqüentemente, boa lucratividade. As condições em um ranário são completamente diferentes das encontradas pelas rãs na natureza, pois o nosso objetivo ao criá-las […]

    O post Produção comercial de rãs apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.