Bem vinda, Visitante! [Registrar-se | Entrar

Despesca ou coleta dos camarões de água doce

Destaques do agronegócio 3 de outubro de 2018

Despesca ou coleta dos camarões de água doce

Despesca é a operação de captura ou coleta dos camarões, nos viveiros. Na natureza, esta rotina se denominaria pesca. Deve ser feita quando os camarões estão “prontos”, isto é, nas melhores condições para serem enviados ao mercado.

Antes de fazermos a despesca, devemos levar em consideração que os camarões de um mesmo lote não têm o mesmo crescimento, podendo o seu tamanho variar muito, de indivíduo para indivíduo. Isso pode ser o resultado da interferência de diversos fatores como a diferença normal de tamanho entre machos e fêmeas (dimorfismo sexual), hereditariedade, competição quando há deficiência de alimentação, etc. Essa diferença de tamanho pode ser bem acentuada, atingindo até 5cm ou mais.

Para o camarão gigante da Malásia (Macrobrachium rosembergii), a despesca deve ser feita 6 a 7 meses após o povoamento do viveiro, pelas poslarvas, podendo atingir, normalmente e em média, 30g e 11cm de comprimento. Em casos especiais, no entanto, quando as condições lhes são bastante favoráveis com relação à água, alimentação, clima, etc., eles podem alcançar, no mesmo período, 125g e 22,5cm de comprimento.

Segundo estudos realizados no estado do Rio de Janeiro, foram obtidos camarões gigantes da Malásia com 50g e 16cm de comprimento, após 8 meses nos tanques de recria.

Levando em consideração essas diferenças de tamanho e de velocidade de crescimento ou desenvolvimento, isto é, maior ou menor precocidade dos indivíduos, podemos optar por diferentes tipos de despescas.

Os dois tipos de despescas utilizadas nas criações comerciais e industriais de camarões de água doce, especialmente no caso do camarão gigante da Malásia, são a despesca total e a despesca parcial ou seletiva.

Os processos de despesca devem ser realizados de acordo com os melhores padrões e com o devido cuidado, para que sejam obtidos os melhores resultados. No caso da despesca total, ela deve ser realizada 6 meses após a colocação das poslarvas no viveiro e quando cerca de 50% dos camarões atingem o tamanho comercial.

Já a despesca parcial ou seletiva ocorre, normalmente, entre o quinto e sétimo mês, após a colocação das poslarvas no viveiro. Neste caso, somente os maiores camarões são coletados, enquanto que os menores permanecem no tanque, para serem coletados posteriormente, já com um tamanho maior.

O post Despesca ou coleta dos camarões de água doce apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

96 total de visualizações, 1 hoje

  

Links patrocinados

Site do Café
  • Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão A economia continua patinando, mas os negócios nos leilões de elite seguem de vento em popa e movimentando cifras milionárias. A vaca nelore Jamaya da Di Gênio foi vendida no 5º Encontro Vila Real, pregão realizado em Brotas (SP), no último dia 26, por […]

    O post Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Produção comercial de rãs

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    A criação de rãs ou ranicultura é uma atividade pecuária das mais lucrativas, desde que desenvolvida de maneira adequada, com um padrão zootécnico elevado. Desta forma, poderemos obter uma alta produtividade e, conseqüentemente, boa lucratividade. As condições em um ranário são completamente diferentes das encontradas pelas rãs na natureza, pois o nosso objetivo ao criá-las […]

    O post Produção comercial de rãs apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.