Bem vinda, Visitante! [Registrar-se | Entrar

Distribuição de rações aos coelhos

DESTAQUES, Distribuição de rações aos coelhos 16 de outubro de 2018

Distribuição de rações aos coelhos

Quando se tratar de grandes criações, a distribuição de rações deve ser feita em horas certas e uma ou duas vezes por dia. Isso facilita a digestão, as funções digestivas e evita indigestões e outras perturbações intestinais dos coelhos. Evita também que fiquem sobras nos comedouros e que os alimentos se estraguem. Outro método, é manter os bebedouros, comedouros e manjedouras sempre cheios.

É aconselhável dar uma ração pela manhã, bem cedo e outra à tarde e, se necessário, outra ao meio dia. Essa terceira distribuição aumenta os gastos e incomoda os coelhos, pois a essa hora estão fazendo a “sesta”.

Em uma exploração ou criação racional de coelhos, o criador deve fornecer-lhes a ração de acordo com a sua produção, seja ela de carne, pele, pêlos, crias ou reprodutores, bem como de acordo com a sua idade e peso. Devem ser bem equilibradas, isto é, possuir determinada quantidade de proteínas, hidratos de carbono, gorduras, sais minerais e vitaminas, dentro de determinadas proporções, que permitam sustentar o peso vivo do animal e manter sua produção.

No arraçoamento (distribuição de ração) dos coelhos, a principal preocupação dos criadores são as proteínas pois, de um modo geral, os outros elementos são encontrados em quantidades satisfatórias, devido à variedade de alimentos ingeridos.

As exigências de proteínas variam de acordo com o animal, seu estado de saúde, idade e objetivo da sua criação. Segundo P.Bernier, um coelho adulto necessita de 10 a 12% de proteínas. Os coelhos em crescimento e as coelhas em gestação ou com crias, exigem maior quantidade.

O leite da coelha contém cerca de 15% de proteína, o que satisfaz as necessidades dos láparos ao nascerem, exigências essas que vão diminuindo aos poucos, a 14% aos 3 meses e 12% aos 5 meses. As Fêmeas em gestação necessitam de 15 a 20% de proteína na ração, enquanto alguns autores julgam necessário 18 a 20% de proteína para os coelhos angorás.

As proteínas devem ser encontradas, não só em relação à sua quantidade na ração, mas também deve ser levado em consideração, por ser de grande importância, sua origem e qualidade.

Para que possa ser estabelecida corretamente a proporção entre os componentes da ração, é necessário que seja conhecida a composição química dos principais alimentos. Os coelhos em descanso, não submetidos a uma produção intensiva, necessitam apenas da ração de conservação. Já os de ceva (engorda), fêmeas em gestação, lactação, os reprodutores e os produtores de pêlos, necessitam de uma ração de produção.

O post Distribuição de rações aos coelhos apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

138 total de visualizações, 2 hoje

  

Links patrocinados

Site do Café
  • Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão A economia continua patinando, mas os negócios nos leilões de elite seguem de vento em popa e movimentando cifras milionárias. A vaca nelore Jamaya da Di Gênio foi vendida no 5º Encontro Vila Real, pregão realizado em Brotas (SP), no último dia 26, por […]

    O post Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Produção comercial de rãs

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    A criação de rãs ou ranicultura é uma atividade pecuária das mais lucrativas, desde que desenvolvida de maneira adequada, com um padrão zootécnico elevado. Desta forma, poderemos obter uma alta produtividade e, conseqüentemente, boa lucratividade. As condições em um ranário são completamente diferentes das encontradas pelas rãs na natureza, pois o nosso objetivo ao criá-las […]

    O post Produção comercial de rãs apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.