Bem vinda, Visitante! [Registrar-se | Entrar

Indigestão estomacal nos coelhos

DESTAQUES, Indigestão estomacal nos coelhos 9 de outubro de 2018

Indigestão estomacal nos coelhos

A indigestão estomacal é muito comum nos coelhos, principalmente nas grandes criações. É causada, em geral, por sitemas de alimentação inadequados e irregulares.

Nos filhotes (láparos)

É provocada, em geral, por uma desmama precoce, pois a mucosa intestinal que está adaptada para digerir somente leite, ainda não se preparou para digerir outro tipo de alimento, como forragens, misturas de cereais, etc. Por isso, é preciso um período de transição para que a mucosa intestinal vá se adaptando ao novo tipo de alimentação.

Nos adultos

Nos adultos, a indigestão estomacal é produzida por rações fermentadas, frias ou geladas, muito secas ou muito pastosas ou, ainda, pela mudança brusca de regime alimentar seco para outro à base de verde. As leguminosas, em geral, quando dadas em grandes quantidades, provocam a formação de gases, que distendem o estômago.

Existem causas predisponentes, que facilitam a indigestão estomacal. Entre elas, podemos citar as temperaturas muito elevadas ou muito baixas, quedas de pressão atmosférica, mudanças bruscas do tempo, etc.

Como conseqüência do gás e acúmulo de alimentos no estômago, há paralisia da musculatura estomacal. Cessam, então, as secreções, o que provoca o aumento do estômago e a suspensão da digestão nos outros órgãos do aparelho, principalmente no intestino delgado.

Os coelhos doentes sentem cólicas, seu abdômen fica dilatado e duro como um tambor. À percussão, o ventre produz sons que variam conforme a indigestão seja produzida, principalmente pelo gás de fermentação ou por uma grande quantidade de alimentos acumulados. Os doentes não comem e sentem maior ou menor dificuldade na respiração, de acordo com o grau de timpanismo que pressiona o diafragma que, por sua vez, comprime os pulmões.

A doença é de pouca duração, 3 a 5 dias, sobrevindo a morte por ruptura do estômago ou por asfixia. Os doentes podem morrer, também, por uma auto-intoxicação. Nestes casos, podem ocorrer convulsões.

Tratamento

O tratamento é problemático, mas existem alguns medicamentos que apresentam bons resultados. Massagens abdominais e clister de água morna com uma gota de glicerina ou 1 a 2gr de sulfato de sódio, tem a vantagem de às vezes, provocar movimentos peristálticos, primeiro nos intestinos e depois no estômago. Isto faz com que, pouco a pouco, expulsem gás e restos alimentícios. Somente quando há melhoras, podemos recorrer ao emprego de algumas substâncias alcalinas, administradas via oral.

O post Indigestão estomacal nos coelhos apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

122 total de visualizações, 1 hoje

  

Links patrocinados

Site do Café
  • Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão A economia continua patinando, mas os negócios nos leilões de elite seguem de vento em popa e movimentando cifras milionárias. A vaca nelore Jamaya da Di Gênio foi vendida no 5º Encontro Vila Real, pregão realizado em Brotas (SP), no último dia 26, por […]

    O post Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Produção comercial de rãs

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    A criação de rãs ou ranicultura é uma atividade pecuária das mais lucrativas, desde que desenvolvida de maneira adequada, com um padrão zootécnico elevado. Desta forma, poderemos obter uma alta produtividade e, conseqüentemente, boa lucratividade. As condições em um ranário são completamente diferentes das encontradas pelas rãs na natureza, pois o nosso objetivo ao criá-las […]

    O post Produção comercial de rãs apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.