Bem vinda, Visitante! [Registrar-se | Entrar

Inseminação artificial em coelhos

DESTAQUES, Inseminação artificial em coelhos 16 de outubro de 2018

Inseminação artificial em coelhos

A inseminação artificial é um método empregado para melhor e maior aproveitamento de bons reprodutores e, portanto, para que deles possa ser obtido um número de filhos muitas vezes maior do que normalmente, com os acasalamentos. Consideramos, no entanto, que a inseminação artificial em coelhos, atualmente, apresenta mais um valor científico do que econômico porque:

– a ovulação da coelha só se processa mediante o estímulo da cópula, sendo necessário manter rufiões em número praticamente igual ao de reprodutores;

– a rutura do folículo de Graaf ocorre 8 a 10 horas após o coito;

– o período de gestação é de 30 dias;

o número de filhotes, por parto, é de 7 a 8, em média.

Outra vantagem é o pequeno custo relativo de uma criação de coelhos, para que seja indicada como das mais interessantes para estudos sobre a inseminação artificial e a fisiologia da reprodução. As vantagens econômicas, porém, não são de grande importância, embora existam e sejam, entre outras, as seguintes:

– maior aproveitamento de um bom reprodutor, como já mencionamos;

– permite conservar o sêmen, se congelado, indefinidamente;

– permite o cruzamento de coelhos de tamanhos diferentes;

– evita o contato com as fêmeas, o que impede que os machos de grande valor contraiam alguma doença, que sejam feridos ou mesmo castrados por elas;

– elimina as dificuldades que podem aparecer em um acasalamento normal.

Portanto, a inseminação artificial pode proporcionar vantagens para o criador, tanto científicas quanto econômicas, em determinadas circunstâncias. Como orientação damos a seguir alguns dados sobre este processo de reprodução. A prática da inseminação artificial compreende:

– coleta do esperma ou sêmen;

– inseminação propriamente dita, isto é, a introdução do sêmen no aparelho genital da fêmea.

A coleta do sêmen pode ser feita pelos métodos da vagina artificial, dos preservativos e dos choques elétricos. Há vários tipos de coletores ou vaginas artificiais, sendo todos feitos de vidro, metal e borracha, nos quais é colocada água quente (60 a 65 ºC), antes da coleta do sêmen. Como complemento, pode ser usado um manequim ou mesmo uma pele de coelha, dentro da qual escondemos a vagina artificial. Este é o método que consideramos mais prático, sendo o mais utilizado.

Se necessário, o esperma pode ser conservado, bem como diluído, de acordo com as necessidades, para que seja aproveitado em maior número de fêmeas. Basta 0,5cc para inseminar uma coelha. Para fazer a inseminação ou inoculação do sêmen, é empregada uma seringa especial.

O post Inseminação artificial em coelhos apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

137 total de visualizações, 1 hoje

  

Links patrocinados

Site do Café
  • Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão A economia continua patinando, mas os negócios nos leilões de elite seguem de vento em popa e movimentando cifras milionárias. A vaca nelore Jamaya da Di Gênio foi vendida no 5º Encontro Vila Real, pregão realizado em Brotas (SP), no último dia 26, por […]

    O post Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Produção comercial de rãs

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    A criação de rãs ou ranicultura é uma atividade pecuária das mais lucrativas, desde que desenvolvida de maneira adequada, com um padrão zootécnico elevado. Desta forma, poderemos obter uma alta produtividade e, conseqüentemente, boa lucratividade. As condições em um ranário são completamente diferentes das encontradas pelas rãs na natureza, pois o nosso objetivo ao criá-las […]

    O post Produção comercial de rãs apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.