O plâncton na alimentação dos peixes

O plâncton é um componente muito importante na alimentação de grande parte dos peixes e outros organismos aquáticos. Por definição, o plâncton é composto de organismos microscópicos, encontrados tanto na água doce quanto na água salgada.

Estes seres microscópicos podem ser de origem animal ou vegetal. Quando são de origem animal, são chamados de zooplâncton e quando são de origem vegetal, de fitoplâncton. Estes micro organismos apresentam pouca capacidade de locomoção sendo, desta maneira, levados pelas correntes aquáticas.

O fitoplâncton, que é composto de algas microscópicas, é indicado para a alimentação dos peixes por apresentar características nutritivas elevadas, com até 50% de proteína na sua composição. Com uma grande área que fica exposta ao sol, o fitoplâncton faz fotossíntese, produzindo oxigênio. Além disso, pelo seu tamanho reduzido, também é consumido pelo zooplâncton. É considerado um alimento vital para os peixes, principalmente no estágio larval.

O zooplâncton é composto de animais microscópicos como protozoários, microcrustáceos e rotíferos. Estes seres são parte importante da alimentação dos peixes e, junto com o fitoplâncton, são amplamente consumidos nas criações comerciais.

Os protozoários são animais compostos de uma só célula (unicelulares) e que podem variar de tamanho e forma, sempre com dimensões microscópicas e que apresentam uma pequena capacidade de locomoção, variando de um micro organismo para outro. Os rotíferos também podem variar de tamanho e forma e são os mais importantes alimentos dos peixes, nas suas primeiras semanas de vida, durante a fase larval. Podemos dar como exemplo de rotífero, a Keratella e o Conochilus, entre outros.

Os microcrustáceos que são encontrados no zooplâncton são alimento de grande importância para os peixes que não se alimentam diretamente de algas. Seu tamanho pode chegar a 3mm e são conhecidos, também, como pulgas d?água. Entre os microcrustáceos mais comuns, podemos citar a Moina e a Daphnia. Estes micro animais fazem parte da ordem Cladocera.

Existem também, dentro do zooplâncton, crustáceos que pertencem à ordem Copepoda. Os seres desta ordem são os mais evoluídos dentro do zooplâncton, são maiores e podem mesmo ser vistos sem auxílio de microscópios.

O plâncton é utilizado como alimentação natural, substituindo em parte ou suplementando o emprego de ração alimentar para os peixes em cativeiro. Muitos peixes, como algumas variedades de tilápias e de carpas, se alimentam com o fitoplâncton. A utilização do plâncton é simples e proporciona bons resultados na piscicultura.

Adubo para Grama

O post O plâncton na alimentação dos peixes apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

28 de outubro de 2019 17:43

768 visualizações, 0 hoje

O plâncton na alimentação dos peixes

O plâncton é um componente muito importante na alimentação de grande parte dos peixes e outros organismos aquáticos. Por definição, o plâncton é composto de organismos microscópicos, encontrados tanto na água doce quanto na água salgada.

Estes seres microscópicos podem ser de origem animal ou vegetal. Quando são de origem animal, são chamados de zooplâncton e quando são de origem vegetal, de fitoplâncton. Estes micro organismos apresentam pouca capacidade de locomoção sendo, desta maneira, levados pelas correntes aquáticas.

O fitoplâncton, que é composto de algas microscópicas, é indicado para a alimentação dos peixes por apresentar características nutritivas elevadas, com até 50% de proteína na sua composição. Com uma grande área que fica exposta ao sol, o fitoplâncton faz fotossíntese, produzindo oxigênio. Além disso, pelo seu tamanho reduzido, também é consumido pelo zooplâncton. É considerado um alimento vital para os peixes, principalmente no estágio larval.

O zooplâncton é composto de animais microscópicos como protozoários, microcrustáceos e rotíferos. Estes seres são parte importante da alimentação dos peixes e, junto com o fitoplâncton, são amplamente consumidos nas criações comerciais.

Os protozoários são animais compostos de uma só célula (unicelulares) e que podem variar de tamanho e forma, sempre com dimensões microscópicas e que apresentam uma pequena capacidade de locomoção, variando de um micro organismo para outro. Os rotíferos também podem variar de tamanho e forma e são os mais importantes alimentos dos peixes, nas suas primeiras semanas de vida, durante a fase larval. Podemos dar como exemplo de rotífero, a Keratella e o Conochilus, entre outros.

Os microcrustáceos que são encontrados no zooplâncton são alimento de grande importância para os peixes que não se alimentam diretamente de algas. Seu tamanho pode chegar a 3mm e são conhecidos, também, como pulgas d?água. Entre os microcrustáceos mais comuns, podemos citar a Moina e a Daphnia. Estes micro animais fazem parte da ordem Cladocera.

Existem também, dentro do zooplâncton, crustáceos que pertencem à ordem Copepoda. Os seres desta ordem são os mais evoluídos dentro do zooplâncton, são maiores e podem mesmo ser vistos sem auxílio de microscópios.

O plâncton é utilizado como alimentação natural, substituindo em parte ou suplementando o emprego de ração alimentar para os peixes em cativeiro. Muitos peixes, como algumas variedades de tilápias e de carpas, se alimentam com o fitoplâncton. A utilização do plâncton é simples e proporciona bons resultados na piscicultura.

Adubo para Grama

O post O plâncton na alimentação dos peixes apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

28 de outubro de 2019 17:43

768 visualizações, 0 hoje