Bem vinda, Visitante! [Registrar-se | Entrar

Ordenha das cabras

DESTAQUES, Ordenha das cabras 4 de outubro de 2018

Ordenha das cabras

Ordenhar ou “tirar leite”, significa retirar manual ou mecanicamente, o leite das cabras para o seu aproveitamento ou venda, ao natural, isto é, puro, ou então industrializado como queijo, requeijão, coalhada, yogurt, etc.

Naturalmente, devemos deixar leite suficiente para os cabritinhos mamarem. A ordenha total só deve ser feita quando for adotado o aleitamento artificial, o que é rotina em muitas criações organizadas, com o objetivo de substituir o leite de cabra, mais caro, pelo de vaca, mais barato, na alimentação das crias.

Número de ordenhas

A ordenha deve ser feita duas vezes ao dia, pois isso faz aumentar a produção diária em 5%, em relação a somente uma ordenha e isso devido, não só à ginástica funcional realizada mas também porque quando o úbere fica cheio, paralisa a produção de leite e, esvaziando-o, ela recomeça imediatamente. O leite da segunda ordenha é mais “magro”.

Como fazer a ordenha

Para isso, devemos tratar as cabras com toda a calma, sem gritos ou pancadas para evitar que, assustadas, “escondam o leite”. Depois, fazemos a contenção, obrigando-as a ficarem paradas e quietas, para a “tirada” do leite: quanto mais mansas e calmas forem elas, melhor. Essa contenção pode ser feita com canzil, corrente ou qualquer outro meio. Iniciamos, então, a ordenha, que pode ser feita pelo lado (como nas vacas) ou por trás. Ambas as maneiras são corretas, dependendo do gosto ou jeito do ordenhador. A ordenha deve ser rápida, pois bem rápido é o estímulo para a “descida” do leite e sua duração é bem pequena. Um bom retireiro leva de 2 a 2,5 min para ordenhar uma cabra e leva 1 hora para tirar o leite de 20 a 25 cabras.

Antes de começar a ordenha, o retireiro deve examinar bem as tetas e o úbere das cabras, para verificar se estão normais ou apresentam mamite, feridas, inflamações, pus, inchações, etc. Se tudo estiver em ordem, ele deve lavar bem seus braços e mãos e as tetas e o úbere da cabra, com água morna e sabão neutro ou então com um desinfetante e depois enxugar tudo com um pano bem limpo ou, melhor ainda, com uma toalhinha descartável para cada cabra para que, se houver alguma doença, não passe de uma cabra para outra. Depois disso, pegar uma teta em cada mão, de forma a fazer um movimento de cima para baixo, comprimindo-as uma de cada vez, em movimentos alternados. Os dedos podem ficar em diferentes posições, de acordo com o “jeito” do retireiro.

Os primeiros jatos de leite devem ser lançados dentro de uma caneca para que, examinando-o, verifiquemos se apresenta alguma anormalidade como sangue, pus, cor ou cheiro diferentes, etc. Se o leite estiver normal, deve ser lançado para dentro de um balde de meia tampa, bem limpo e esterilizado. Terminada a ordenha, mergulhar as tetas da cabra em uma solução de glicerina iodada.

Ordenha mecânica

Existem ordenhadeiras mecânicas especiais para cabras. È preciso, no entanto, muito cuidado para trabalhar com elas, mantendo-as sempre limpas e em pleno funcionamento.

A ordenha poderá ser feita no chão do aprisco, cabril ou curral ou então em uma plataforma de ordenha que, certamente, dá maior comodidade ao ordenhador. Quando houver a plataforma de ordenha, as cabras devem ir subindo algumas de cada vez, 4 em 4 ou de 6 em 6, para que o retireiro efetue a ordenha de todas, sem problemas.

Sala de ordenha

Podemos ter, também, uma sala de ordenha. Quando prendemos várias cabras para serem ordenhadas em série, podemos faze-lo mantendo-as paralelas umas às outras ou então em “espinha de peixe”, ou seja, umas ao lado das outras, mas formando um certo ângulo em relação ao cocho aos quais estão presas por canzis, correntes, baias, etc.

O post Ordenha das cabras apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

214 total de visualizações, 1 hoje

  

Links patrocinados

Site do Café
  • Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão A economia continua patinando, mas os negócios nos leilões de elite seguem de vento em popa e movimentando cifras milionárias. A vaca nelore Jamaya da Di Gênio foi vendida no 5º Encontro Vila Real, pregão realizado em Brotas (SP), no último dia 26, por […]

    O post Vaca é vendida por preço recorde neste ano: R$ 1,95 milhão apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Produção comercial de rãs

    de em 30 de outubro de 2019 - 0 Comentários

    A criação de rãs ou ranicultura é uma atividade pecuária das mais lucrativas, desde que desenvolvida de maneira adequada, com um padrão zootécnico elevado. Desta forma, poderemos obter uma alta produtividade e, conseqüentemente, boa lucratividade. As condições em um ranário são completamente diferentes das encontradas pelas rãs na natureza, pois o nosso objetivo ao criá-las […]

    O post Produção comercial de rãs apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

  • Vaca Louca

    de em 8 de novembro de 2019 - 0 Comentários

    “DOENÇA DA VACA LOUCA” é o termo vulgar denominado da enfermidade Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB). É uma doença infecciosa que causa lesões neurodegenerativas (degenera o cérebro) progressivas e levam o animal à morte. Supõe-se que a epdemia da Vaca Louca, teve início na Inglaterra em 1985, porém, além da Grã-Bretanha, a doença já foi diagnosticada […]

    O post Vaca Louca apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.