A lã dos ovinos

A lã dos ovinos

A lã ou velo, é a pelagem que reveste o corpo dos ovinos, sendo um apêndice da sua pele. Ela é formado por fibras especiais, que devem ser fortes, macias, resistentes, flexíveis e brilhantes. Seu aspecto, comprimento e diâmetro são variáveis, de acordo com a idade, características, as condições corporais ou fisiológicas e a raça do animal, sendo levadas em consideração, também, as condições ambientais.


 
As características da lã
 
Ela pode ser formada por duas ou até três camadas concêntricas, ou seja:
Cutícula (primeira camada): formada pela ceratina, que é uma substância córnea. Esta camada apresenta-se com o aspecto de um telhado, por ser coberta por escamas muito pequenas e que são, em parte, sobrepostas umas às outras. Essa textura e a resistência dos fios, permitem que deles sejam feitos os feltros. Quanto maior número de fios numa determinada área, maior será, também, a sua delicadeza ao tato.

As lãs finas têm o brilho diminuído, porque absorvem mais a luz, ao passo que as grossas brilham mais, por terem menos escamas e por elas serem maiores, refletindo melhor a luz.

Quanto à resistência e à elasticidade da lã, elas são proporcionadas pela segunda e terceira camadas:
Cortícula (segunda camada).
Medula (terceira camada): é encontrada em parte da camada cortical das lãs cujas espessuras são médias ou grossas.

Há uma diferença entre o pêlo e a lã pois, enquanto o primeiro possui a medula em toda a sua extensão, a lã é constituída por células sobrepostas, de formas e tamanhos irregulares, inclusive poligonais, semelhantes aos favos de mel de abelhas e com ar no seu interior.

A medula é classificada em 4 categorias, denominadas heterotípicas, de acordo com a sua apresentação: contínua, descontínua, interrompida e fragmentada. Na lã verdadeira, não encontramos o primeiro tipo, ou seja, a medula contínua.

Desta forma, os ovinos podem apresentar em seu velo:

– lã propriamente dita, que não possui medula;
 
– lã medulada que, como o seu nome o indica, possui medula em toda a extensão de suas fibras. Elas são mais grossas e ásperas ao tato;
 
– lã semimedulada, cuja medula é fragmentada em várias partes da fibra.

Quanto aos pêlos, são sempre medulados, com pouca elasticidade, sem ondulações e apresentando um aspecto vítreo. Como não possuem o mesmo valor têxtil da lã e, portanto, comercial, por ela ser livre de medula que possuem, os pêlos e as fibras meduladas constituem um grave defeito que o velo pode apresentar, pois transmitem uma certa aspereza ao tecido, além de dificultar a sua absorção de tintas.

A zootecnia, naturalmente, deu uma grande contribuição para a ovinocultura, com o melhoramento e a formação de várias novas raças ovinas, as quais não mudam os pêlos ou lãs, de um ano para o outro, como ocorria com as raças antigas. Uma das principais medidas zootécnicas adotadas pelos criadores, para manterem um rebanho com alta qualidade e produtividade é tirar da reprodução os animais que não produzam uma lã de qualidade, pois esta característica pode ser genética e comprometer as futuras gerações de animais e o bom desempenho da produção de lã.

O post A lã dos ovinos apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

20 de novembro de 2018 15:24

305 visualizações, 0 hoje