Bem vinda, Visitante! [ Registrar-se | Entrar

Fator lanudo

DESTAQUES, Fator lanudo 14 de outubro de 2018

Fator lanudo

Em uma criação de coelhos de raças puras, de pêlo normal, Chinchila ou Nova Zelândia, por exemplo, começam a nascer coelhos de pêlos longos, tipo “angorá”. São coelhos que não interessam ao criador porque, além de fugirem aos padrões das raças a que pertencem, sua pele não tem valor comercial.

É necessário evitar o aparecimento dessa anomalia nas criações, o que é relativamente fácil, desde que o criador saiba que o pêlo longo é transmitido de pais para filhos, isto é, é um fator hereditário. O aparecimento de coelhos lanudos, portanto, não depende da alimentação, estado de saúde dos reprodutores, das instalações, da época do ano, manejo, etc.

Acasalando-se coelhos lanudos com coelhos de pêlo normal, todas as crias saem de pêlo normal, mas com o fator “pêlo lanudo”, que pode ser por eles transmitido a seus descendentes (fator recessivo). O Caráter recessivo “pêlo lanudo” é neutralizado pelo caráter “pêlo normal”, que é dominante. Se forem cruzados coelhos de filhos de pais descendentes de um cruzamento lanudo e normal (irmão e irmã), a quarta parte dos descendentes sai com pêlo lanudo, transmitindo esse caráter a seus descendentes. Outro quarto será livre desse fator e, portanto, não pode transmiti-lo. A metade restante será de pêlo normal, mas possuirá o fator lanudo e poderá produzir filhos de pêlo normal ou lanudos.

Assim sendo, temos os seguintes casos em que poderá aparecer o pêlo lanudo em uma criação de coelhos de pêlos normais:

– quando os pais têm pêlo lanudo, todos os filhos nascem de pêlo longo;
– quando o pai e a mãe têm pêlo normal, mas possuem o gene do fator lanudo,1/4 das crias terá pêlo lanudo e 3/4 pêlo normal;
– quando um dos pais tem pêlo longo e o outro pêlo normal, mas possuindo o gene do fator lanudo, metade dos filhos sai com pêlos longos e metade com pêlos normais;
– quando um coelho de pêlo normal é acasalado com outro de pêlo normal, todos os filhotes saem com pêlo normal, mas existe a possibilidade de 50% de nascerem com o gene recessivo do fator lanudo.

Portanto, para evitar o aparecimento de animais de pêlo lanudo em uma criação de raças de pêlo normal, é preciso, em primeiro lugar, que o criador identifique os animais que não possuam o fator lanudo e os utilize na reprodução. Para verificar com segurança se um coelho de pêlo normal possui o fator lanudo, basta acasalá-lo com um animal que possua o pêlo longo. Se todas as crias nascerem com pêlo normal, é um bom sinal de que o animal testado não possui o fator lanudo. Para maior garantia, porém, é necessário que se obtenha um maior número de crias, em 2, 3 ou mais parições, pois ficará provado que o animal em questão não possui o gene lanudo e, portanto, só produzira coelhos de pêlo normal.

Pelas razões expostas, podemos concluir que o mais indicado e o melhor para qualquer criador é manter um registro genealógico preciso de seus animais. Desta forma, fica muito mais fácil detectar possíveis inserções de animais com o fator lanudo na criação e, com isso, tirá-los do processo reprodutivo.

O post Fator lanudo apareceu primeiro em Celeiro do Brasil.

Sem tags

163 total de visualizações, 1 hoje

  

Links patrocinados

Site do Café